Terapia baseada em realidade virtual tem benefícios reais para alguns tipos de transtornos mentais

111018_VR_feat

Hardware barato e fácil de usar poderia ajudar a terapia de RV a ser popular

Edwin ajustou o fone de ouvido e segurou o controle do jogo com as duas mãos. Ele engoliu em seco. O cara tinha boas razões para estar nervoso. Ele estava prestes a entrar em um ambiente virtual feito sob medida para fazer seu coração bombar mais do que qualquer videogame cheio de ação: Um café cheio de gente.

Determinado a superar seu medo reincidente de que outras pessoas querem machucá-lo, Edwin havia se inscrito em um estudo de uma nova terapia de realidade virtual. A pesquisa teve como objetivo, ajudar as pessoas com paranóia a se sentirem mais confortáveis em locais públicos. Nesse programa, descrito em março no Lancet Psychiatry, Edwin podia visitar uma loja ou embarcar em um ônibus lotado.

Estranhos virtuais podem ser assustadores, assim como pessoas reais. Edwin, que havia sido diagnosticado com esquizofrenia paranóica, frequentemente achava tarefas simples, como compras de supermercado, esmagadoras e exaustivas.

Mas enfrentar multidões simuladas, veio com regalias. Em um computador próximo, estava sentado o psicólogo clínico Roos Pot-Kolder, da Universidade de Amsterdã. Ela poderia personalizar o número de avatares e definir seus níveis de amizade em cada cena. Dessa forma, Edwin poderia progredir em seu próprio ritmo.

Durante uma sessão, Pot-Kolder treinou Edwin para desafiar suas próprias suposições paranóicas. Se ele visse um avatar irritado, ela perguntou: “Quais poderiam ser outras razões para parecer louco, além de querer machucá-lo?” Edwin ofereceu: A pessoa poderia estar cansada ou com problemas pessoais.

Após três meses de tratamento com RV, os passeios públicos foram mais fáceis, disse Edwin, que pediu que seu sobrenome não fosse usado. “Senti mais liberdade, mais relaxada.” Ele até fez um poema para 500 pessoas em um show de talentos, que ele “não ousaria” antes.

Pesquisadores vêm desenvolvendo sistemas de realidade virtual que ajudam pessoas a superar fobias específicas desde os anos 90. A terapia de RV, desde então, expandiu-se para tratar de transtornos de ansiedade mais complexos, como ansiedade social e estresse pós-traumático, e até mesmo a ansiedade associada à esquizofrenia paranóide para pessoas como Edwin.

“O principal ingrediente para um tratamento eficaz para os transtornos de ansiedade é … você precisa enfrentar seus medos”, diz Stéphane Bouchard, um ciberpsicólogo clínico da Universidade de Quebec, em Outaouais, no Canadá. Ele está se referindo ao que é conhecido como terapia de exposição. Com o apoio emocional de um terapeuta, a terapia de exposição ajuda a dessensibilizar o paciente para qualquer que seja o medo. Os pacientes geralmente enfrentam seus medos na vida real ou, se o medo é uma lembrança traumática, repetidamente revivem o evento em sua imaginação.”

Mas confrontar medos pode ser mais fácil em um ambiente virtual. Um paciente com fobia de voo pode decolar e aterrissar muitas vezes em uma única sessão de RV sem o custo e o incômodo dos vôos reais. Veteranos com estresse pós-traumático que não se lembram de uma lembrança traumática em grande detalhe podem representar uma procuração próxima na RV para uma experiência terapêutica mais potente. O mesmo vale para aqueles que reprimem memórias dolorosas.

Até recentemente, o preço e a complexidade dos equipamentos de RV, que podiam custar dezenas de milhares de dólares, limitaram a terapia de RV a alguns laboratórios de pesquisa e clínicas. Agora, há headsets baseados em computador, como o Oculus Rift, que custam apenas algumas centenas de dólares, além de fones de ouvido como o Samsung Gear VR, que transformam smartphones em telas de realidade virtual por cerca de 100 dólares.

Com sistemas mais baratos e mais fáceis de usar, prontos para tornar a terapia de realidade virtual disponível para muitos mais pacientes, os pesquisadores estão testando os limites dos poderes terapêuticos da RV para tratar uma gama mais ampla de distúrbios ou, em alguns casos, substituir completamente o terapeuta.

Texto traduzido por Mayke Alencar; postado originalmente em Sciencenews

This article appears in the November 10, 2018 issue of Science News with the headline, “Erasing Fear: Virtual reality therapy has real-life benefits for some disorders.”

Você está preparado para uma pandemia?

Em 1918-1919 o mundo sofreu sua pior pandemia de gripe, com 20-40 milhões de pessoas morrendo (o CDC reivindica a estatística de até 50 milhões). A pandemia resultou da emergência repentina de uma estirpe de gripe particularmente virulenta. Em 2008 os cientistas reconstruíram a estirpe exata, que foi a gripe A (H1N1).

800px-h1n1_map_by_confirmed_cases-svg
Distribuição de casos de H1N1 no mundo entre 2009 e 2010. Fonte: Wikimedia Foundation

O vírus espalhou-se rapidamente por todo o mundo, principalmente através de rotas comerciais, mas o movimento em massa, resultante de pessoas durante a Primeira Guerra Mundial também foi cogitado como um fator chave desse fenômeno.

Bill Gates afirmou que sente que o mundo não está pronto para uma pandemia de gripe similar atingida. Sua fundação está preocupada com a saúde global, então ele presta atenção a essas questões. Já citei os recentes surtos de Ebola e Zika como evidência de que nossa preparação atual é inadequada.

Ver Ebola: uma visão geral e Vamos falar sobre o Zika Vírus?

Quais são as chances de outra pandemia semelhante a 1918-19? Novas cepas de vírus virulentos surgem o tempo todo. Parece inevitável que um mal particular apareça em algum momento, mas isso é impossível de prever. O CDC afirma que é improvável que a próxima pandemia de gripe será H1N1, porque desde a gripe 1918 cepas de H1N1 têm circulado, e, portanto, há imunidade decente na população. H1N1 também está incluído na vacina anual contra a gripe. (A propósito, se você ainda não recebeu a vacina, não é tarde demais).

Mas há muitas estirpes da gripe. A Gripe aviária um tipo de vírus da gripe A, que infecta principalmente aves, mas começou a gerar também infecções humanas. Existem também outros vírus, como o vírus SARS (síndrome respiratória aguda grave).

Se um vírus tão virulento como o vírus da gripe de 1918 empreitasse uma nova pandemia, seria melhor ou pior nos tempos modernos? Esta é uma boa pergunta. Do lado positivo, temos melhores cuidados médicos agora e temos organizações como a Organização Mundial da Saúde (OMS) e os CDC que podem responder para tentar limitar a pandemia. No lado de baixo, o transporte aéreo permite uma disseminação muito mais rápida de infecções em todo o mundo.

O melhor método para limitar e parar um surto, uma epidemia (disseminação de um surto para várias comunidades), ou pandemia (uma epidemia mundial) é a vacinação. Ter a vacina pronta antes do tempo é ótimo.

Recentemente foi anunciado que progressos significativos no desenvolvimento de uma vacina ebola foram realizados. Isso pode ser crítico em matar o próximo surto.

[Atualização: a vacina foi desenvolvida com 100% de eficiencia de imunização]

Ver Ebola: uma visão geral

Se não temos uma vacina pronta, no entanto, poderiam levar seis meses ou mais para se desenvolver uma. Mesmo que uma nova cepa de gripe surgisse, e soubermos como fazer a vacina contra, visando a cepa específica levaria seis meses. Descobrir uma maneira de encurtar esse atraso seria extremamente eficaz. É também por isso que os pesquisadores continuam a procurar maneiras de fazer a vacina contra gripe universal. Embora o progresso seja freqüentemente relatado, nenhuma vacina universal eficaz da gripe emergiu.

O CDC não tem planos para responder à pandemia nos níveis global, federal e local. Podemos um dia descobrir como esses planos são eficazes. O CDC também tem informações para indivíduos. Eles incluem métodos de limitar propagação:

  • Tente evitar o contato próximo com pessoas doentes.
  • Enquanto estiver doente, limite o contato com os outros tanto quanto possível para evitar infectá-los.
  • Se você está doente com sintomas de gripe, CDC recomenda que você fique em casa por pelo menos 24 horas após a febre passar, exceto para obter cuidados médicos ou para outras necessidades. (A febre deve desaparecer por 24 horas sem usar remédios).
  • Cubra o nariz e a boca com um lenço quando tossir ou espirrar. Jogue o tecido no lixo depois de usá-lo.
  • Lave as mãos com água e sabão. Se o sabão e a água não estiverem disponíveis, use um esfregaço à base de álcool.
  • Evite tocar os olhos, nariz e boca. Germes se espalharam por ali.
  • Limpe e desinfete superfícies e objetos que podem estar contaminados com vírus como o da gripe.

Estas são boas regras a seguir para qualquer doença infecciosa. A próxima pandemia começará com um surto local que pode não parecer incomum no início, ou pode apenas parecer ser particularmente uma gripe ruim. Como as pessoas na área do surto local reagirão, pode determinar se o surto se torna uma epidemia ou pandemia.

Se uma epidemia mortal ou uma pandemia ocorrer, então a preparação para emergências será fundamental. Você deve ter um kit de emergência pronto. O CDC recomenda que você sempre tenha mantimentos para 3 dias de alimentos e água na casa. Eu pessoalmente acho que isso é uma pequena luz. Apenas alguns anos atrás, minha família foi literalmente coberta de neve por 4 dias. Nós tivemos interrupções de energia em CT (Connecticut) durando 5-7 dias em algumas casas.

Alguns dias de suprimentos é o suficiente para o tipo de emergência que acontece raras vezes em uma década. Mas e o tipo de emergência que acontece uma vez por século? Se você pensar sobre isso, provavelmente encontrará um tipo de emergência como essa em sua vida. Uma epidemia de doença grave pode resultar na recomendação de que as pessoas permaneçam em suas casas por semanas.

Existem outros tipos de emergências incomuns, mas quase inevitáveis, como inundações raras, terremotos e furacões ou outros fenômenos climáticos. Uma ejeção de massa coronal (CME) poderia eliminar nossa rede elétrica, e levar anos para que seja recuperada. É plausível que levaria semanas para restabelecer os suprimentos básicos. E é claro que há sempre o risco de terrorismo.

Se todos tivessem várias semanas de comida, em vez de vários dias, em suas casas, isso seria uma grande ajuda para reduzir a carga sobre o alívio de desastres. Isso não é difícil de fazer, e não requer nenhum tipo de especialidade. Mercadorias secas, como arroz, feijão, legumes, leite em pó e massas, vão durar muito tempo e podem fazer parte da sua rotação normal de alimentos. Os produtos enlatados (com um abridor de latas manual) também duram muito tempo.

Estar preparado é uma dessas coisas que você deve fazer, mas, espero que você nunca precise. Aproveite o tempo para pensar sobre como você está preparado, e o que você faria em uma emergência. Se você estivesse assistindo as notícias agora, e eles estivessem dizendo que há uma epidemia de gripe importante de uma tensão mortal em sua área, e você deve ficar em casa, -se possível – você está preparado?

Traduzido por Cientista Invisível;

Postado originalmente em: Neurologica Blog.