Ebola: uma visão geral

about-ebola.jpg

Fonte: Center for Disease Control and Prevention -CDC

 

A epidemia de febre hemorrágica causada por Ebola em 2014 no oeste da África, é de longe o maior surto desse agente que já existiu. O Agente etiológico dessa doença, o ZEBOV (Zaire Ebolavirus) e outras espécies de Ebolaviroses, estão classificados no gênero Ebolavirus da família  Filoviridae (denominados assim pelo seu aspecto de filamento). ZEBOV  é um agente, que se não fosse a indiferente natureza de um vírus, poderia obter facilmente o adjetivo de assassino em série, sem muito esforço, o vírus é letal pra cerca de 90% das pessoas que o contraem. A morte geralmente é resultante de falência múltipla dos órgãos e complicações hemorrágicas graves (dizendo de outra forma, não tão fofa e sensacionalista, o acometido se esvai em sangue por todo e qualquer orifício do corpo).

As filoviroses (Ebola, Zaire, Marburg etc) são autóctones da África. O nome Ebola é derivado do rio Ebola, situado na República Democrática do Congo, onde os primeiros caso da febre hemorrágica foram reportados em 1976. As evidências sugerem que o Ebola tem um ciclo silvestre que se dá entre morcegos ( O reservatório que agiria como um vetor) e outros animais como primatas e antílopes. Os humanos provavelmente contraíram o vírus pelo contato com esses reservatórios animais, seja por caça ou preparo da mesma para alimentação.

Ciclo - ebola .PNG

A infecção do vírus Ebola de humano para humano pode acontecer pelo contato com o sangue ou fluidos corporais de um indivíduo infectado, ou contato com corpos de vítimas da febre hemorrágica. Há indícios de que o vírus também possa ser transmitido pelo ar, e data a agressividade do Ebola (Infectando primatas e sem cura pós-infecção), no jargão científico, ele é chamado de um agente quente, tanto que as pesquisas realizadas com Ebola, são realizadas em laboratórios de nível de biossegurança 4 (NB4), onde os laboratórios são em geral subterrâneos e os pesquisadores usam trajes espaciais biológicos, com o intuito de evitar qualquer eventual contato com o patógeno.

Dados da WHO (World Health Organization) indicam que até 17 de janeiro de 2016, 28.602 casos, desses foram a óbito 11.301 (ver tabela), incluindo países não só africanos, como também Europeus e os EUA.

Ebola 2016.PNGebola-distribuicao-em-2016

Apesar de ainda não termos nenhum tratamento para a doença em casos de infecção, foi recentemente desenvolvida uma vacina que provê com 100% de eficácia, proteção contra o Ebola, fato a se comemorar na comunidade científica. Entretanto, pouco se sabe sobre a doença e longo é o caminho a ser trilhado no sentido de erradicar totalmente essa mazela emergente do mundo.

science-it-works-bitches.jpg

Fontes:

http://www.who.int/mediacentre/news/releases/2016/ebola-vaccine-results/en/

http://mobile.nytimes.com/2016/12/22/health/ebola-vaccine.html

https://www.cdc.gov/vhf/ebola/resources/virus-ecology.html

http://www.universoracionalista.org/vacina-contra-ebola-passa-no-primeiro-teste-em-humanos/

Zawilińska B1, Kosz-Vnenchak M. General introduction into the Ebola virus biology and disease. (2014) <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25694096&gt;

Vamos falar sobre o Zika Vírus?

screen-shot-2015-07-29-at-1-41-50-pm

Estrutura do Zika Vírus

1) Zika vírus é sim transmitido por mosquitos:

http://www.sciencedirect.com.sci-hub.io/…/…/0035920352900424

2) Zika vírus não foi espalhado: pelo governo; por alguma empresa ou grupo empresarial que está querendo dominar o mundo ou fazer controle de natalidade. (alerta iluminati)

3) Zika vírus e microcefalia: é muito provável que exista essa relação.

Mais fontes da relação entre microcefalia e a contaminação por Zika:
http://www.bbc.com/…/20…/01/160127_atualiza_entenda_zika_lab

http://genereporter.blogspot.com.br/

http://g1.globo.com/…/relacao-entre-microcefalia-e-zika-so-…

4) Não são os “cientistas malucos com o cão no couro” que estão “soltando mosquitos mutantes” com a intenção de espalhar o Zika no mundo.

Mais fontes sobre Mosquitos transgênicos: http://g1.globo.com/…/mosquitos-transgenicos-diminuem-infes…

http://g1.globo.com/…/entenda-como-funciona-o-combate-dengu…

http://saude.terra.com.br/mosquitos-transgenicos-sao-usados…

5)Não, não foi um lote vencido de vacina contra rubéola, aplicado em grávidas, que causou os casos de microcefalia em recife ( Grávidas nem podem tomar vacina contra rubéola)

http://www.e-farsas.com/vacina-contra-a-rubeola-foi-a-causa…

Chega de boatos idiotas. Não aguento mais ouvir esses boatos em filas de bancos, em conversas familiares ou em encontros casuais. Não compartilhem boatos. Procurem se informar antes. Se não tem tempo de se informar, repito, não compartilhem.

O bom senso, a inteligência e a lógica agradecem muito!

P.s. criar mais focos para a “mosquita” não vai ajudar muito.

A navalha de Ockham

Guilherme de Ockham

Guilherme de Ockham

Guilherme de Ockham ou Ockam, Occam, Aquaman Auquam, Hotham (nunca vi uma grafia mais indefinida que o local onde esse cara nasceu) foi um frade franciscano que viveu no séc. XIV e defendia o princípio que agora carrega o seu nome, ligado á metáfora da navalha: a Navalha de Ockham!

Narrada pelo locutor da Seção da Tarde, fica assim:

Esse frade franciscano e sua galerinha do barulho, aprontaram altas confusões e se meteram em uma grande encrenca com o Papa devido as suas ideias da pesada. Agora viverá uma grande aventura tentando driblar a santa excomungação papal”

Resumidamente, o princípio é o seguinte:

as entidades não devem ser multiplicadas além do necessário, a natureza é por si econômica e não se multiplica em vão.

Também conhecida como Lei da Parcimônia.

A Navalha de Ockham aplicada à ciência.

Na aplicação científica, a Navalha de Ockham indica que, se em tudo mais duas teorias são iguais, a mais simples (a que exige menos hipóteses) deverá ser aceita. A tirinha abaixo explica melhor a situação:

Dilema

Na lógica isso funciona assim:

A Navalha de Ocam aponta a hipótese de maior probabilidade entre duas teorias, indicando que a cada hipótese extra (princípio da parcimônia), logo desnecessária acrescentada a uma teoria a torna menos provável. (vale lembrar que estamos comparando teorias nesse exemplo)

Suponha uma teoria T1 que seja correta e formada com N hipóteses: H1, H2…Hn onde todas elas sejam necessárias para que a teoria funcione corretamente.

Podemos escrever isso, simplificadamente, da seguinte forma:

 T1= (H1, H2…Hn).

Suponha agora outra teoria T2, rival de T1, que contenha as mesmas N hipóteses de T1 acrescida de uma hipótese extra e desnecessária “D0”. Assim:

T2= (H1, H2.. Hn, D0).

Agora, se temos todas as condições nas quais as hipóteses de T1 sejam satisfeitas, então a teoria T1 deverá nos dar as predições corretas. A teoria T2, por sua vez, só dará o resultado correto se a hipótese desnecessária “D0” for verificada. Mas como, por definição, “D0” é uma hipótese desnecessária, a teoria T2 poderá dar um resultado falso quando deveria dar um resultado verdadeiro, pois depende do valor da hipótese desnecessária “D0”.

Provamos assim que hipóteses desnecessárias fazem com que uma teoria que poderia ser correta torne-se falsa. Dessa forma, podemo afirmar que teorias que respeitam a “navalha de Occam” têm maior probabilidade de serem verdadeiras do que aquelas que não satisfazem a navalha.

Esse raciocínio que é muito aplicado no método científico, é expresso de uma forma um pouco reformulada pelo nosso querido Carl Sagan, onde ele diz o seguinte:

Alegações extraordinárias, exigem evidências extraordinárias

Contudo, deve-se ter cuidado ao aplicar a Navalha de Occam, pois muitos confundem seu princípio com a ideia de que, sempre que uma coisa for complexa, tem que ser descartada.

Além disso, muitos poderão pedir para que você prove que a H0 (hipótese desnecessária) seja provada, o que caracteriza uma falácia lógica denominada Inversão do ônus da prova (Leia mais sobre falácias lógicas nesse livro ilustrado disponibilizado aqui: Um Livro Ilustrado de Maus Argumentosonde a pessoa que defende tal hipótese tem o ônus da prova, mas usa dessa falácia, para se livrar do ônus de prová-la.Resumindo, O ônus (obrigação) da prova está sempre com quem faz uma afirmação, nunca com quem refuta a afirmação.

Então, vamos parar de criar teorias de como os “círculos alienígenas” surgiram no milharal, e vamos aplicar corretamente essa Navalha destruidora de exageros teóricos que Giherme de Ockham, nos deixou.