Você está preparado para uma pandemia?

Em 1918-1919 o mundo sofreu sua pior pandemia de gripe, com 20-40 milhões de pessoas morrendo (o CDC reivindica a estatística de até 50 milhões). A pandemia resultou da emergência repentina de uma estirpe de gripe particularmente virulenta. Em 2008 os cientistas reconstruíram a estirpe exata, que foi a gripe A (H1N1).

800px-h1n1_map_by_confirmed_cases-svg
Distribuição de casos de H1N1 no mundo entre 2009 e 2010. Fonte: Wikimedia Foundation

O vírus espalhou-se rapidamente por todo o mundo, principalmente através de rotas comerciais, mas o movimento em massa, resultante de pessoas durante a Primeira Guerra Mundial também foi cogitado como um fator chave desse fenômeno.

Bill Gates afirmou que sente que o mundo não está pronto para uma pandemia de gripe similar atingida. Sua fundação está preocupada com a saúde global, então ele presta atenção a essas questões. Já citei os recentes surtos de Ebola e Zika como evidência de que nossa preparação atual é inadequada.

Ver Ebola: uma visão geral e Vamos falar sobre o Zika Vírus?

Quais são as chances de outra pandemia semelhante a 1918-19? Novas cepas de vírus virulentos surgem o tempo todo. Parece inevitável que um mal particular apareça em algum momento, mas isso é impossível de prever. O CDC afirma que é improvável que a próxima pandemia de gripe será H1N1, porque desde a gripe 1918 cepas de H1N1 têm circulado, e, portanto, há imunidade decente na população. H1N1 também está incluído na vacina anual contra a gripe. (A propósito, se você ainda não recebeu a vacina, não é tarde demais).

Mas há muitas estirpes da gripe. A Gripe aviária um tipo de vírus da gripe A, que infecta principalmente aves, mas começou a gerar também infecções humanas. Existem também outros vírus, como o vírus SARS (síndrome respiratória aguda grave).

Se um vírus tão virulento como o vírus da gripe de 1918 empreitasse uma nova pandemia, seria melhor ou pior nos tempos modernos? Esta é uma boa pergunta. Do lado positivo, temos melhores cuidados médicos agora e temos organizações como a Organização Mundial da Saúde (OMS) e os CDC que podem responder para tentar limitar a pandemia. No lado de baixo, o transporte aéreo permite uma disseminação muito mais rápida de infecções em todo o mundo.

O melhor método para limitar e parar um surto, uma epidemia (disseminação de um surto para várias comunidades), ou pandemia (uma epidemia mundial) é a vacinação. Ter a vacina pronta antes do tempo é ótimo.

Recentemente foi anunciado que progressos significativos no desenvolvimento de uma vacina ebola foram realizados. Isso pode ser crítico em matar o próximo surto.

[Atualização: a vacina foi desenvolvida com 100% de eficiencia de imunização]

Ver Ebola: uma visão geral

Se não temos uma vacina pronta, no entanto, poderiam levar seis meses ou mais para se desenvolver uma. Mesmo que uma nova cepa de gripe surgisse, e soubermos como fazer a vacina contra, visando a cepa específica levaria seis meses. Descobrir uma maneira de encurtar esse atraso seria extremamente eficaz. É também por isso que os pesquisadores continuam a procurar maneiras de fazer a vacina contra gripe universal. Embora o progresso seja freqüentemente relatado, nenhuma vacina universal eficaz da gripe emergiu.

O CDC não tem planos para responder à pandemia nos níveis global, federal e local. Podemos um dia descobrir como esses planos são eficazes. O CDC também tem informações para indivíduos. Eles incluem métodos de limitar propagação:

  • Tente evitar o contato próximo com pessoas doentes.
  • Enquanto estiver doente, limite o contato com os outros tanto quanto possível para evitar infectá-los.
  • Se você está doente com sintomas de gripe, CDC recomenda que você fique em casa por pelo menos 24 horas após a febre passar, exceto para obter cuidados médicos ou para outras necessidades. (A febre deve desaparecer por 24 horas sem usar remédios).
  • Cubra o nariz e a boca com um lenço quando tossir ou espirrar. Jogue o tecido no lixo depois de usá-lo.
  • Lave as mãos com água e sabão. Se o sabão e a água não estiverem disponíveis, use um esfregaço à base de álcool.
  • Evite tocar os olhos, nariz e boca. Germes se espalharam por ali.
  • Limpe e desinfete superfícies e objetos que podem estar contaminados com vírus como o da gripe.

Estas são boas regras a seguir para qualquer doença infecciosa. A próxima pandemia começará com um surto local que pode não parecer incomum no início, ou pode apenas parecer ser particularmente uma gripe ruim. Como as pessoas na área do surto local reagirão, pode determinar se o surto se torna uma epidemia ou pandemia.

Se uma epidemia mortal ou uma pandemia ocorrer, então a preparação para emergências será fundamental. Você deve ter um kit de emergência pronto. O CDC recomenda que você sempre tenha mantimentos para 3 dias de alimentos e água na casa. Eu pessoalmente acho que isso é uma pequena luz. Apenas alguns anos atrás, minha família foi literalmente coberta de neve por 4 dias. Nós tivemos interrupções de energia em CT (Connecticut) durando 5-7 dias em algumas casas.

Alguns dias de suprimentos é o suficiente para o tipo de emergência que acontece raras vezes em uma década. Mas e o tipo de emergência que acontece uma vez por século? Se você pensar sobre isso, provavelmente encontrará um tipo de emergência como essa em sua vida. Uma epidemia de doença grave pode resultar na recomendação de que as pessoas permaneçam em suas casas por semanas.

Existem outros tipos de emergências incomuns, mas quase inevitáveis, como inundações raras, terremotos e furacões ou outros fenômenos climáticos. Uma ejeção de massa coronal (CME) poderia eliminar nossa rede elétrica, e levar anos para que seja recuperada. É plausível que levaria semanas para restabelecer os suprimentos básicos. E é claro que há sempre o risco de terrorismo.

Se todos tivessem várias semanas de comida, em vez de vários dias, em suas casas, isso seria uma grande ajuda para reduzir a carga sobre o alívio de desastres. Isso não é difícil de fazer, e não requer nenhum tipo de especialidade. Mercadorias secas, como arroz, feijão, legumes, leite em pó e massas, vão durar muito tempo e podem fazer parte da sua rotação normal de alimentos. Os produtos enlatados (com um abridor de latas manual) também duram muito tempo.

Estar preparado é uma dessas coisas que você deve fazer, mas, espero que você nunca precise. Aproveite o tempo para pensar sobre como você está preparado, e o que você faria em uma emergência. Se você estivesse assistindo as notícias agora, e eles estivessem dizendo que há uma epidemia de gripe importante de uma tensão mortal em sua área, e você deve ficar em casa, -se possível – você está preparado?

Traduzido por Cientista Invisível;

Postado originalmente em: Neurologica Blog.

Ebola: uma visão geral

about-ebola.jpg

Fonte: Center for Disease Control and Prevention -CDC

 

A epidemia de febre hemorrágica causada por Ebola em 2014 no oeste da África, é de longe o maior surto desse agente que já existiu. O Agente etiológico dessa doença, o ZEBOV (Zaire Ebolavirus) e outras espécies de Ebolaviroses, estão classificados no gênero Ebolavirus da família  Filoviridae (denominados assim pelo seu aspecto de filamento). ZEBOV  é um agente, que se não fosse a indiferente natureza de um vírus, poderia obter facilmente o adjetivo de assassino em série, sem muito esforço, o vírus é letal pra cerca de 90% das pessoas que o contraem. A morte geralmente é resultante de falência múltipla dos órgãos e complicações hemorrágicas graves (dizendo de outra forma, não tão fofa e sensacionalista, o acometido se esvai em sangue por todo e qualquer orifício do corpo).

As filoviroses (Ebola, Zaire, Marburg etc) são autóctones da África. O nome Ebola é derivado do rio Ebola, situado na República Democrática do Congo, onde os primeiros caso da febre hemorrágica foram reportados em 1976. As evidências sugerem que o Ebola tem um ciclo silvestre que se dá entre morcegos ( O reservatório que agiria como um vetor) e outros animais como primatas e antílopes. Os humanos provavelmente contraíram o vírus pelo contato com esses reservatórios animais, seja por caça ou preparo da mesma para alimentação.

Ciclo - ebola .PNG

A infecção do vírus Ebola de humano para humano pode acontecer pelo contato com o sangue ou fluidos corporais de um indivíduo infectado, ou contato com corpos de vítimas da febre hemorrágica. Há indícios de que o vírus também possa ser transmitido pelo ar, e data a agressividade do Ebola (Infectando primatas e sem cura pós-infecção), no jargão científico, ele é chamado de um agente quente, tanto que as pesquisas realizadas com Ebola, são realizadas em laboratórios de nível de biossegurança 4 (NB4), onde os laboratórios são em geral subterrâneos e os pesquisadores usam trajes espaciais biológicos, com o intuito de evitar qualquer eventual contato com o patógeno.

Dados da WHO (World Health Organization) indicam que até 17 de janeiro de 2016, 28.602 casos, desses foram a óbito 11.301 (ver tabela), incluindo países não só africanos, como também Europeus e os EUA.

Ebola 2016.PNGebola-distribuicao-em-2016

Apesar de ainda não termos nenhum tratamento para a doença em casos de infecção, foi recentemente desenvolvida uma vacina que provê com 100% de eficácia, proteção contra o Ebola, fato a se comemorar na comunidade científica. Entretanto, pouco se sabe sobre a doença e longo é o caminho a ser trilhado no sentido de erradicar totalmente essa mazela emergente do mundo.

science-it-works-bitches.jpg

Fontes:

http://www.who.int/mediacentre/news/releases/2016/ebola-vaccine-results/en/

http://mobile.nytimes.com/2016/12/22/health/ebola-vaccine.html

https://www.cdc.gov/vhf/ebola/resources/virus-ecology.html

http://www.universoracionalista.org/vacina-contra-ebola-passa-no-primeiro-teste-em-humanos/

Zawilińska B1, Kosz-Vnenchak M. General introduction into the Ebola virus biology and disease. (2014) <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25694096&gt;

O Regresso

Olá, primatas. Venho aqui informar ( seja lá quem for, caso alguém acompanhe esse negócio aqui) que estive afastado durante um tempo. Estava em estágio, fazendo a pesquisa que irá gerar um belo bebê TCC (espero), e por esse motivo, os posts foram tão escassos nos últimos meses. Porém… Estarei retornando com as atividades no blog e tentarei manter uma meta de ao menos dois posts (de preferência textos) por semana sobre nosso admirável mundo da ciência.

Life long and prosper.

Vamos falar sobre o Zika Vírus?

screen-shot-2015-07-29-at-1-41-50-pm

Estrutura do Zika Vírus

1) Zika vírus é sim transmitido por mosquitos:

http://www.sciencedirect.com.sci-hub.io/…/…/0035920352900424

2) Zika vírus não foi espalhado: pelo governo; por alguma empresa ou grupo empresarial que está querendo dominar o mundo ou fazer controle de natalidade. (alerta iluminati)

3) Zika vírus e microcefalia: é muito provável que exista essa relação.

Mais fontes da relação entre microcefalia e a contaminação por Zika:
http://www.bbc.com/…/20…/01/160127_atualiza_entenda_zika_lab

http://genereporter.blogspot.com.br/

http://g1.globo.com/…/relacao-entre-microcefalia-e-zika-so-…

4) Não são os “cientistas malucos com o cão no couro” que estão “soltando mosquitos mutantes” com a intenção de espalhar o Zika no mundo.

Mais fontes sobre Mosquitos transgênicos: http://g1.globo.com/…/mosquitos-transgenicos-diminuem-infes…

http://g1.globo.com/…/entenda-como-funciona-o-combate-dengu…

http://saude.terra.com.br/mosquitos-transgenicos-sao-usados…

5)Não, não foi um lote vencido de vacina contra rubéola, aplicado em grávidas, que causou os casos de microcefalia em recife ( Grávidas nem podem tomar vacina contra rubéola)

http://www.e-farsas.com/vacina-contra-a-rubeola-foi-a-causa…

Chega de boatos idiotas. Não aguento mais ouvir esses boatos em filas de bancos, em conversas familiares ou em encontros casuais. Não compartilhem boatos. Procurem se informar antes. Se não tem tempo de se informar, repito, não compartilhem.

O bom senso, a inteligência e a lógica agradecem muito!

P.s. criar mais focos para a “mosquita” não vai ajudar muito.

Humildade

Vi essa tirinha no site do genial Zen Pencils, e de imediato recordei do texto Pale Blue Dot ( O pálido ponto azul) do nosso querido Carl fodão das galáxias Sagan. Onde ele faz uma reflexão sobre a nossa (in)significância diante do cosmos, sobre humildade e caráter. Na ocasião, a NASA, com sonda Voyager 1 tirava fotos do sistema solar com a intenção de montar uma espécie de mosaico do sistema solar. uma dessas fotos que a Voyager retornou, é a que segue:

525px-PaleBlueDot

Nela, vemos a Terra a 6,4 bilhões de Km de distância, onde a mesma aparece como um pequenino ponto azul, imagem que deu origem á bela reflexão do Carl Sagan. Deixo aqui, a tirinha, e logo após, o texto do Sagan. Life long and prosper!

zen-pencils-060

Olhem de novo esse ponto. É aqui, é a nossa casa, somos nós. Nele, todos a quem ama, todos a quem conhece, qualquer um sobre quem você ouviu falar, cada ser humano que já existiu, viveram as suas vidas. O conjunto da nossa alegria e nosso sofrimento, milhares de religiões, ideologias e doutrinas econômicas confiantes, cada caçador e coletor, cada herói e covarde, cada criador e destruidor da civilização, cada rei e camponês, cada jovem casal de namorados, cada mãe e pai, criança cheia de esperança, inventor e explorador, cada professor de ética, cada político corrupto, cada “superestrela”, cada “líder supremo”, cada santo e pecador na história da nossa espécie viveu ali – em um grão de pó suspenso num raio de sol.

A Terra é um cenário muito pequeno numa vasta arena cósmica. Pense nos rios de sangue derramados por todos aqueles generais e imperadores, para que, na sua glória e triunfo, pudessem ser senhores momentâneos de uma fração de um ponto. Pense nas crueldades sem fim infligidas pelos moradores de um canto deste pixel aos praticamente indistinguíveis moradores de algum outro canto, quão frequentes seus desentendimentos, quão ávidos de matar uns aos outros, quão veementes os seus ódios.

As nossas posturas, a nossa suposta autoimportância, a ilusão de termos qualquer posição de privilégio no Universo, são desafiadas por este pontinho de luz pálida. O nosso planeta é um grão solitário na imensa escuridão cósmica que nos cerca. Na nossa obscuridade, em toda esta vastidão, não há indícios de que vá chegar ajuda de outro lugar para nos salvar de nós próprios.

A Terra é o único mundo conhecido, até hoje, que abriga vida. Não há outro lugar, pelo menos no futuro próximo, para onde a nossa espécie possa emigrar. Visitar, sim. Assentar-se, ainda não. Gostemos ou não, a Terra é onde temos de ficar por enquanto.

Já foi dito que astronomia é uma experiência de humildade e criadora de caráter. Não há, talvez, melhor demonstração da tola presunção humana do que esta imagem distante do nosso minúsculo mundo. Para mim, destaca a nossa responsabilidade de sermos mais amáveis uns com os outros, e para preservarmos e protegermos o “pálido ponto azul”, o único lar que conhecemos até hoje.

Carl Sagan.

A evolução explicada para leigos

O vídeo, intitulado What is the Evidence for Evolution? (Qual a evidência para a evolução?) postado originalmente no canal Stated Clearly, e legendado pelo Luc Anderssen em português do Brasil, trás as principais evidências para a evolução das espécies, corroboradas por áreas distintas do conhecimentos científico ( embriologia, física, química geologia, biogeografia), mostrando que a Evolução enquanto teoria, vem passando por vários testes de falseabilidade, o que a torna uma teoria bem estabelecida e aceita pela comunidade cientifica.

Contudo, muita gente ainda não entende bem a evolução, e por isso acaba cometendo uma falácia lógica: A falácia da incredulidade pessoal, que resumidamente se caracteriza por:

Você considerar algo difícil de entender, ou não saber como funciona, por isso você dá a entender que não seja verdade.

Veja mais, sobre falácias lógicas em: Um livro ilustrado de maus argumentos

Por exemplo: Mary olha para duas fotografias, a primeira de um peixe, e a segunda de um ser humano, e pergunta a Cleandre, se ela é babaca o suficiente para acreditar que um peixe evoluiu até a forma humana através de um monte de eventos randômicos com o passar das eras.

Mary, não entende a evolução, logo ela deu a entender que quem concorda com a evolução é um babaca.

Cr

Assuntos como a evolução biológica através de mecanismos como a seleção natural, são um pouco complexos, e exigem que as pessoas se esforcem um pouco para compreende-los.

Mas, chega de conversa e vamos ao vídeo:

Pense Cientificamente

Letramento Científico

Darei início aqui, uma série de posts, em que irei abordar, e tentar discutir a importância da educação científica, como ferramenta, não só de produção do conhecimento, mas também, como uma forma lógica e sistemática de pensar, que nos permite enquanto seres humanos ( somos seres humanos, certo?) questionar e avaliar informações que chegam até nós, de uma forma crítica e cética, permitindo assim, não só o pleno exercício da cidadania, mas também da construção da autonomia do nosso próprio processo de concepção pessoal frente a essa sociedade que cada vez mais produz lixo literário, seja ele de noticiários, ou até mesmo de cunho acadêmico, frutos de uma sociedade que não entende de ciência.

Veja também: A navalha de Ockham

Irei abordar aqui, temas como:

  • Método CientíficoMétodo Científico
  • Redação Científica
  • Educação Científica
  • Letramento Científico
  • Transposição Didática
  • Ciência e Tecnologia

Dentre outros…

Veja também: Um dia no laboratório

O Objetivo principal dessa série de posts, é tentar sensibilizar os leitores de que ao desenvolver a capacidade de usar o conhecimento científico, identificar problemas e tirar conclusões com base em evidências, o mesmo poderá tomar decisões mais seguras, não só sobre o mundo natural, mas também, em âmbito sociopolítico e cultural.

Um dia no laboratório

Um belo conto sobre o mecanismo de “auto-correção” da ciência através do método científico. Essa não é a triste história do método científico. É a história do implacavelmente indiferente método científico.

Sociedade Secreta Zvezda

Dexter acordou de bom humor e fio até a cozinha fazer o desjejum quando encontrou uma nota afixada na geladeira de sua mãe.

– Bom dia meu filho. Eu e Didi vamos ao mercado fazer compras. Nós vamos demorar, então faça seu café da manhã. Beijos, mamãe.

– Viva! Eu vou ter a casa toda só para mim! Eu vou poder fazer meus experimentos sem ter que me preocupar com a Didi.

Sem a supervisão de sua mãe, Dexter foi se servindo do que mais gostava, não do que é saudável. Quando acabou, foi em direção ao seu laboratório quando a campainha tocou.

– Ah, não! Será que elas voltaram e esqueceram a chave?

Dexter olhou pelo sistema de segurança e percebeu que era um entregador. Estava com uma caixa grande.

– Oba! Eu espero que sejam os cubos azuis de Madagascar. O Comitê Científico abriu inscrições para cientistas de…

Ver o post original 694 mais palavras

A navalha de Ockham

Guilherme de Ockham

Guilherme de Ockham

Guilherme de Ockham ou Ockam, Occam, Aquaman Auquam, Hotham (nunca vi uma grafia mais indefinida que o local onde esse cara nasceu) foi um frade franciscano que viveu no séc. XIV e defendia o princípio que agora carrega o seu nome, ligado á metáfora da navalha: a Navalha de Ockham!

Narrada pelo locutor da Seção da Tarde, fica assim:

Esse frade franciscano e sua galerinha do barulho, aprontaram altas confusões e se meteram em uma grande encrenca com o Papa devido as suas ideias da pesada. Agora viverá uma grande aventura tentando driblar a santa excomungação papal”

Resumidamente, o princípio é o seguinte:

as entidades não devem ser multiplicadas além do necessário, a natureza é por si econômica e não se multiplica em vão.

Também conhecida como Lei da Parcimônia.

A Navalha de Ockham aplicada à ciência.

Na aplicação científica, a Navalha de Ockham indica que, se em tudo mais duas teorias são iguais, a mais simples (a que exige menos hipóteses) deverá ser aceita. A tirinha abaixo explica melhor a situação:

Dilema

Na lógica isso funciona assim:

A Navalha de Ocam aponta a hipótese de maior probabilidade entre duas teorias, indicando que a cada hipótese extra (princípio da parcimônia), logo desnecessária acrescentada a uma teoria a torna menos provável. (vale lembrar que estamos comparando teorias nesse exemplo)

Suponha uma teoria T1 que seja correta e formada com N hipóteses: H1, H2…Hn onde todas elas sejam necessárias para que a teoria funcione corretamente.

Podemos escrever isso, simplificadamente, da seguinte forma:

 T1= (H1, H2…Hn).

Suponha agora outra teoria T2, rival de T1, que contenha as mesmas N hipóteses de T1 acrescida de uma hipótese extra e desnecessária “D0”. Assim:

T2= (H1, H2.. Hn, D0).

Agora, se temos todas as condições nas quais as hipóteses de T1 sejam satisfeitas, então a teoria T1 deverá nos dar as predições corretas. A teoria T2, por sua vez, só dará o resultado correto se a hipótese desnecessária “D0” for verificada. Mas como, por definição, “D0” é uma hipótese desnecessária, a teoria T2 poderá dar um resultado falso quando deveria dar um resultado verdadeiro, pois depende do valor da hipótese desnecessária “D0”.

Provamos assim que hipóteses desnecessárias fazem com que uma teoria que poderia ser correta torne-se falsa. Dessa forma, podemo afirmar que teorias que respeitam a “navalha de Occam” têm maior probabilidade de serem verdadeiras do que aquelas que não satisfazem a navalha.

Esse raciocínio que é muito aplicado no método científico, é expresso de uma forma um pouco reformulada pelo nosso querido Carl Sagan, onde ele diz o seguinte:

Alegações extraordinárias, exigem evidências extraordinárias

Contudo, deve-se ter cuidado ao aplicar a Navalha de Occam, pois muitos confundem seu princípio com a ideia de que, sempre que uma coisa for complexa, tem que ser descartada.

Além disso, muitos poderão pedir para que você prove que a H0 (hipótese desnecessária) seja provada, o que caracteriza uma falácia lógica denominada Inversão do ônus da prova (Leia mais sobre falácias lógicas nesse livro ilustrado disponibilizado aqui: Um Livro Ilustrado de Maus Argumentosonde a pessoa que defende tal hipótese tem o ônus da prova, mas usa dessa falácia, para se livrar do ônus de prová-la.Resumindo, O ônus (obrigação) da prova está sempre com quem faz uma afirmação, nunca com quem refuta a afirmação.

Então, vamos parar de criar teorias de como os “círculos alienígenas” surgiram no milharal, e vamos aplicar corretamente essa Navalha destruidora de exageros teóricos que Giherme de Ockham, nos deixou.

Nova droga no mercado do ego

0-a-facebook

Nosso querido Zen Pencils sempre arrasa nas tirinhas. Vou compartilhar com os viciados.

<