Usando isótopos de carbono para desmascarar o comércio do falso uísque raro

Imagine uma garrafa de Uísque escocês de 1863. Não é preciso ser um connoisseur para imaginar que se trata de um item raro. Esses uísques são objetos de cobiça de colecionadores que pagam milhares (e ate milhões) de dólares por uma única garrafa.

Entretanto, pesquisadores do Centro de Pesquisa Ambiental das Universidades Escocesas (Scottish Universities Environmental Research Centre – SUERC) utilizaram a marcação por Carbono 14 (14C) para determinar a real idade dos supostamente raros rótulos de uísque. O estudo, que utilizou o decaimento do carbono da cevada de rótulos com idade conhecida (entre 1950 e 2015) para realização de uma curva de calibração, chegou a conclusão de que muitas das supostas garrafas raras de uísque, não eram tão raras assim e que se tratavam de uísques fraudulentos.  Das 221 garrafas analisadas, cerca de 50% eram discrepantes com relação ao ano de destilação descrito no rótulo. Uma delas (Talisker 1863), pode ter sido destilada entre 2007 e 2014. Já o  Laphroaig 1903, pode ter sido destilado após 2011.

Mais uma vez a ciência salvou o dia contra o charlatanismo.

 

Uaite rorse

 

Um comentário sobre “Usando isótopos de carbono para desmascarar o comércio do falso uísque raro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s